História da Cidade: origem do nome do bairro Morin

Quanto a origem da denominação MORIN ao bairro da zona sul da cidade de Petrópolis é possível afirmar sem receio de errar, que ela tem procedência no sobrenome do Major da Guarda Nacional da corte e cidade do Rio de Janeiro, Antônio João Morin, que, ainda no tempo de Koeler, adquiriu 5 prazos com frente na estrada que atravessava o Quarteirão, conhecida a seguir como Caminho do Morin.

morin1.jpg

morin torredomorin.jpg

morin4.JPG

Quanto aos números dados aos prazos em apreço, têm eles os seguintes: 2626, 2627, 2628, 2629 e 2631 com área total de 2.365,00 braças quadradas, o que corresponde a 11.446,60m². Quanto à finalidade principal da compra, ao que tudo indica, pretendia ter uma propriedade de recreio, com a compensação das despesas de custeio imprescindíveis a esse fim. Vejamos, em resumo, os dados, que constam nas páginas 155 e 156, publicados no Volume I dos Trabalhos da Comissão do Centenário de Petrópolis, em 1938. O Major Antônio João Morin instalou em terras do Palatinato Superior, uma fazendinha provida principalmente de árvores frutíferas, dispondo também de pastagens que alugava, recebendo animais a trato. A estrada que atravessava o quarteirão foi se tornando conhecida como o caminho do MORIN. O nome ampliou-se, dominou o bairro e quase estendeu-se ao rio, cujo nome é Palatino que até hoje conserva. Na publicação intitulada “Toponímia Urbana de Petrópolis”, exaustiva e muito útil trabalho do historiador Gabriel Kopke Fróes e seu dedicado e eficiente colaborador Tito Livio de Castro, verifica-se que a Prefeitura Municipal em 1922, denominou Avenida General Marciano Magalhães a artéria que corta o bairro. Esta via de comunicação tem hoje muitas ramificações, entre elas ruas, vilas e caminhos, como a Almirante Aristides Mascarenhas, e Augusto Severo, a Coronel Batista da Silva, a Dr. Públio de Oliveira, a Pedro Ivo, a Bezerra de Menezes, a Cristina, a Dr. Sérvulo Lima, a Gabriel José de Barros, a Prof. Eugênio Werneck e na parte alta, a Lugano, a Locarno, a St. Moritz, a Lucerne e a Neuchatel. Por uma publicação de 28-11-1884, o Major Morin fez questão de frisar que adquiriu a propriedade por compra a foreiros, não a recebendo portanto a qualquer outro título. Quanto a sua existência, nasceu em 2-12-1794 e faleceu em 14-02-1886; viveu assim 92 anos.

morin2.JPG

Seus herdeiros, em 1891, venderam os 5 prazos; os adquirentes foram: Cipriano de Souza Freitas, Manoel da Costa Franco, Luiz de Freitas Guimarães e Jerônimo de Freitas Guimarães. Por curiosidade, merece registro: na primeira publicação citada ainda há menção a um professor francês MORIN, que lecionava no Colégio S. Luiz, de propriedade dos professores Antônio Afonso de Almeida Albuquerque e José Ferreira de Paixão, que funcionou em 1870 no antigo prédio onde hoje está instalado o Convento N. S. de Lourdes. Em 1885 também trabalhava um engenheiro, Felício Morin, atuando na Estrada de Ferro Grão Pará, no prolongamento para S. José do Rio Preto.

morin3.jpg

Fonte: Revista do Instituto Histórico de Petrópolis – 1982 - pág. 63 -

 Posts em Destaque
Recent Posts
Archive
Search By Tags
Follow Us
  • Wix Facebook page
  • Instagram